Fale Conosco+55 (49) 99804-4550
Postado em 15 de Junho às 11h30

PAPO DE PROFISSA: Como correr em baixas temperaturas

  • Vidas Corridas -

Estamos chegando aos meses mais gelados do ano e esta não pode ser uma desculpa
para não se exercitar. Entretanto, devemos tomar alguns cuidados quando a atividade é
praticada em climas muito frios, principalmente quando realizada ao ar livre.

E os cuidados devem ser levados a sério. Há poucas semanas uma tragédia numa prova
de Ultramaratona na China levou à morte 21 corredores. A causa foi uma mudança brusca do
clima e queda acentuada da temperatura durante a prova.

Primeiro, é importante entender como funciona o controle da temperatura pelo nosso
corpo. Nossos isolantes térmicos são a pele superficial e a gordura subcutânea. Por esse
motivo as pessoas com uma espessura da gordura subcutânea maior conservam o calor de
forma mais eficaz. Além disso, o corpo perde calor quatro vezes mais rápido na água do que
no ar na mesma temperatura ambiente.

A adaptação de cada um ao frio pode ser diferente e pessoas que vivem em locais com
temperaturas mais baixas desenvolvem uma tolerância maior ao frio. A explicação pode estar
no fato de o corpo se adaptar e alterar o fluxo sanguíneo periférico e a temperatura cutânea.
Uma pessoa pode morrer após poucos minutos com temperatura corporal muito
baixa. Geralmente a morte ocorre por parada cardíaca, pois ocorre uma diminuição
importante dos batimentos cardíacos e consequentemente a parada.

Por volta de 29 graus Celsius negativos (ambiente) é a temperatura capaz de congelar
dedos expostos, nariz e orelhas. Nessa situação a vasoconstrição dos vasos periféricos é tão
intensa que provoca a “morte” do tecido por falta de oxigênio e nutrientes. Se não for tratado
precocemente pode levar à gangrena. Essa situação pode ocorrer em temperaturas mais
amenas, se houver presença de chuva e vento.

Em temperaturas muito baixas ocorrem algumas alterações nas repostas fisiológicas
do organismo: na função muscular ocorre a redução da velocidade de encurtamento das fibras
e da potência. Dessa maneira, se o atleta tentar manter a mesma intensidade do exercício, vai
apresentar fadiga mais precocemente.

Existem muitos fatores que determinam se o exercício no frio constitui estresse
fisiológico adicional e maior risco de lesão: incluindo o ambiente, o vestuário, a composição
corporal, o estado de saúde, a nutrição, a idade e a intensidade do exercício. Alguns fatores
específicos que aumentam o risco de desenvolvimento de hipotermia incluem imersão, chuva,
vestuário molhado, pouca gordura corporal, idade avançada (≥ 60 anos) e hipoglicemia.

A primeira ideia que vem à cabeça é colocar mais roupa para se proteger do frio. Mas
se você se exercitar com roupa em excesso, seu corpo pode esquentar e iniciar a transpiração.
O suor molha a roupa, a evaporação remove rapidamente o calor e você começa a apresentar
calafrios. Então, as recomendações de vestuário incluem as seguintes considerações: ajuste o
isolamento da roupa para minimizar o suor; utilize aberturas na roupa para reduzir o
acúmulo de suor; não utilize uma camada externa a menos que esteja chovendo ou
ventando muito; reduza o isolamento da roupa à medida que a intensidade do exercício
aumenta; não imponha um único padrão de vestuário para todo o grupo de participantes.
(Diretriz do ACSM – American College of Sports Medicine).

Em situações de hipotermia leve, deve-se proteger a pessoa do frio, colocar roupas
secas e ingerir líquidos quentes. E em casos de hipotermia moderada ou severa deve-se
manipular e pessoa de forma cuidadosa para evitar desencadeamento de arritmias cardíacas e
realizar o reaquecimento lento da vítima, que idealmente deve ser realizado em ambiente
hospitalar.

  • Vidas Corridas -

Wilton César Eckert

  • Medicina pela UFRGS;
  • Cardiologista e Ecocardiografista pela Santa Casa de Porto Alegre;
  • Pós-graduação em Medicina do Esporte e do Exercício;
  • Corredor amador.

Comentários!

Comentários

Seja o primeiro a comentar! : )

Veja também

PAPO DE PROFISSA: Corrida e café13/04VAI UM CAFEZINHO AÍ? Você é daquelas pessoas que só começa o dia após uma xícara de café? Apreciado por boa parte da população, o café, com seu aroma inconfundível, pode inclusive trazer benefícios para a prática esportiva. Existem diversos recursos ergogênicos, sejam substâncias ou artifícios, utilizados para a melhora do......
PAPO DE PROFISSA: Controlando a ansiedade em tempos de Pandemia08/04/20Psicologia do esporte e o controle da ansiedade dos corredores Olá, Corredores! Espero que você e seus familiares estejam saudáveis, seguros e fazendo sua parte para "achatar a curva" de contágio da pandemia. Apesar da minha formação acadêmica em......
PAPO DE PROFISSA: Exercícios na forma livre, são mais eficientes, saiba por quê?20/04/20A ciência comprova: exercícios na forma livre, sem uso de aparelhos, são mais eficientes. Exercícios livres são exercícios multiarticulares (exercícios que movimentam mais de uma articulação quando executados). Os exercícios livres contam com respaldo de pesquisas recentes que confirmam sua......

Voltar para Blog

  • Vidas Corridas -